Entendendo o conceito

 

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é definida como pressão arterial sistólica superior a 140mmHg e pressão diastólica superior a 90 mmHg, com base em duas ou mais medidas em indivíduos adultos.

O maior número corresponde a leitura da pressão arterial sistólica, que representa a pressão máxima exercida quando o coração se contrai bombeando o sangue para a aorta e para a artéria pulmonar (sístole). Já o menor número é a leitura da pressão arterial diastólica, que representa a pressão mínima nas artérias, quando o coração está em repouso permitindo sendo preenchido com sangue que vem das veias pulmonares e veias cavas (diástole).

Então, se algum profissional de saúde diz que a sua pressão está 120 por 80, além de significar que sua pressão está dentro da normalidade, significa ainda que na sístole ela é de 120 mmHg e na diástole é de 80 mmHg. O termo mmHg consiste na mensuração que é feita em milímetros de mercúrio dessa pressão.

Pelo fato da elevação da pressão arterial estar ligada a múltiplos fatores que vão desde um dia estressante no trabalho ou aquela caminhada durante sob sol é necessário um acompanhamento desses períodos antes para melhor fechar um diagnóstico e tratamento.

 

Quais são os fatores de riscos?

 

Os fatores de risco para o desenvolvimento da HAS consistem em sobrepeso, tabagismo, uso abusivo de bebidas alcoólicas, ser portador de diabetes e ter histórico de membros na família com HAS tem um risco elevado para o aumento da pressão.

 

Como prevenir?

 

A prática regular de exercícios físicos e o controle do peso estão diretamente ligadas e auxiliam potencialmente na prevenção da HAS.  É necessário ainda atentar para quantidade de ingestão de sal, bem como buscar fazer escolhas mais saudáveis na alimentação como um todo. Evitar ingestão de álcool e o fumo, também são consideradas boas medidas de prevenção.

 

A HAS é considerada como um fator de risco importante para doenças cardiovasculares, bem como para lesões dos vasos sanguíneos nos chamados órgãos-alvo (coração, rins, cérebro e olhos) capazes de causar danos permanentes à saúde. Na maioria dos casos a pressão arterial passa despercebida ou provoca sintomas leves a graves tais como de cabeça latejante ,tontura, visão turva, inchaços nos pés e falta de ar.

 

Sou hipertenso e agora?

 

A meta agora é prevenir e evitar as possíveis complicações,  mantendo sempre a pressão arterial em 140/90 mmHg ou menos (130/80 mmHg para indivíduos com diabetes melito ou com doença renal crônica). Além do uso contínuo de medicações que irão ajudar no controle da pressão prescritos pelo seu médico, você deverá buscar uma modificação do seu estilo de vida, conforme já falamos aqui, a fim de evitar possíveis complicações e de forma continua a ampliar sua qualidade de vida visando uma ter uma saúde plena.

0 respostas

Deixe uma resposta


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *